Chegou o dia de defender o Mestrado !

Na última sexta-feira, dia 10, apresentei minha pesquisa no Mestrado Profissional em Indústrias Criativas da UNICAP -Universidade Católica de Pernambuco, intitulada “O Documentário Interativo com o software Korsakow”, uma análise do programa computacional com propostas de modelos narrativos para desenvolvimento de projetos neste campo do audiovisual. Este blog aqui acompanhou o todo o processo desde o início.

O caminho começou em 2019 e tive a honra de ter como orientadores, os Profs. Doutores João Guilherme Peixoto e Anthony Lins, e que também contou com toda atenção desde a qualificação da Profa. Doutora Kátia Augusta Maciel (UFRJ) e do Prof. Doutor Dario Brito (UNICAP). Muito mais que professores, verdadeiros cientistas !!!

Este post é para agradecer e comemorar a aprovação e pra dizer que o texto será lançado em breve, no formato de e-book.

O futuro está começando a ser escrito, ou melhor, segue seu fluxo nas redes.

Em breve teremos novidades !

Axé !!

Lista atualizada de K-filmes no Showcase.

Publico aqui, a quem interessar possa, uma lista atualizada dos K-filmes com os links ativos e em Adobe Flash ( Descontinuados/EOL), no Showcase do site do KORSAKOW, em Março de 2021.

Esta lista é parte integrante de Apêndice da minha dissertação de Mestrado em Indústrias Criativas, na Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP, sobre o uso do software de edição Korsakow na produção de narrativas não-lineares e interativas em documentários audiovisuais.

Caminhando na pandemia – 2020.

E esperando que caminhos nos levem logo a vacina e principalmente para anos melhores em 2021, 2022, 2023 … não custa sonhar.

Um caminho possível se seguirmos os passos da ciência, do cuidado com o meio ambiente, da busca de melhores e mais justas condições de vida para nós habitantes deste pedaço de pedra voadora na imensidão do universo !!

Nossa despedida deste ano será relaxar com o K-filme de Andrew Martyn Sugar chamado de “Walking Through the pandemic”, realizado colaborativamente na Inglaterra durante os primeiros meses da pandemia e que teve apoio do Arts Council England.

Método para Documentários ET’s.

Nesta busca pelo conhecimento que é a nossa pesquisa de Mestrado um dos pontos centrais, e o qual me debruço nestes dias é a fase metodológica de propor estratégias para esmiuçar o objeto de estudo, mapear, relacionar, comparar e anotar, em busca sobretudo de conhecimento que possa ser analisado e replicado.

Um dos conceitos que guiam meu método é o presente no livro Alien Phenomenology or What It’s Like to Be a thing, do designer de jogos e filosófo de mídia Ian Bougost, ” Knowledge may intersect or surround ideas and objects, but it never permeates them, just as mechanical device used to train canaries doesn’t really turn them into sopranos”.(BOUGOST, 2012, pg. 123) em português, “O conhecimento pode cruzar ou circundar ideias e objetos, mas nunca os permeia, assim como o dispositivo mecânico usado para treinar canários não os transforma realmente em sopranos”.

Tal pensamento está presente na filosofia da ontologia orientada dos objetos – OOO – uma proposta do realismo especulativo que desloca a tradicional visão humanista da realidade em direção a interconexão entre os objetos e nós, que possui entre seus pensadores Bougost, Harman, Latour, entre outros. Meu objetivo é assim desenhar os mapas dos estilos das narrativas na hipermídia documental. Espero não ser muito pretensioso …

Projeto Tafos, fotografia e sociedade no Peru, no doc interativo “These Photos”.

Depois de alguns dias ‘imerso’ no planejamento da dissertação e no já início do texto da mesma, finalmente um curto respiro.

Abertura – “These Photos”.

No post de hoje trago mais um dos K-Filmes que fazem parte da nossa análise sobre Korsakow em filmes documentários, é o “These Photos“.

O projeto pode ser visto on line neste link http://thesephotos.korsakow.tv/

Idealizado pela inglesa Tiffany Fairey como parte de sua pesquisa de doutorado em Sociologia Visual no Goldsmiths College de Londres, utiliza o Korsakow na construção de uma narrativa interativa sobre o trabalho do grupo TAFOS no Peru do final do século XX, como explica a autora, ” entre 2011-12, conduzi pesquisas sobre a experiência da TAFOS como parte do meu doutorado. Eu examinei especificamente o impacto de longo prazo do projeto em seus participantes e a circulação das imagens do TAFOS desde o encerramento do projeto.”

A navegação é realizada através das pré-visualizações.

O TAFOS foi um projeto pioneiro de ‘fotografia social’ realizado no Peru de 1986 a 1998. Envolveu mais de 270 fotógrafos de comunidades de todo o país; incluindo coletivos campensinos, mineiros, mulheres e jovens que viviam em bairros urbanos e comunidades afro-peruanas. O projeto durou 12 anos turbulentos da guerra civil peruana, capturando testemunhos vitais e percepções sobre o movimento político de base e a vida das pessoas naquela época.

Imperdível pra quem curte fotografia e documentários juntos ! Até Breve !

Se eu demorar uns meses …

Seguindo com nossa pesquisa sobre o sistema interativo Korsakow, trago hoje a indicação de um I-doc realizado pela produtora brasileira Doc Tela.

É o “Se eu Demorar uns Meses” baseado em relatos de presos políticos opositores ao regime desse período com explicam os criadores Giovanni Francischelli e Lívia Perez, “um dos assuntos mais obscuros da história política brasileira continua sendo o período da Ditadura Militar (1964-1985). Foram 21 anos de regime autoritário, conhecido por práticas repressivas violentas como prisões ilegais, invasão de domicílio, assassinatos e torturas. Ainda hoje, pouco se pode afirmar sobre o que aconteceu nos porões de presídios militares e centros clandestinos de tortura, já que a maior parte dos documentos foram destruídos ou permanecem inacessíveis à sociedade.”

Aqui o link: http://doctela.com.br/se-eu-d

Gravado no Memorial da Resistência, edifício histórico sede de uma das polícias políticas mais truculentas do país, o filme traz a memória do período encenada por meio de uma “virtualidade do real”para ficar aqui com Manuel Castells, o que coloca o documentário e a interatividade a serviço da reflexão e da verdade, abordando questões políticas, sociais, culturais e, sobretudo, históricas.

Navegação por telas
As sequências são conduzidas pelo espectador.

Um filme que merece ser visto !

Nuvens – o documentário.

Depois de terminar os artigos do Mestrado para primeiro semestre de 2020.1 é hora de relaxar um pouco antes de escrever a dissertação. Nessa folga rápida deixo aqui uma recomendação para esta semana, o documentário “CLOUDS”.

O link do Trailler.

https://cloudsdocumentary.com/#trailer

Imagens do i-doc “Clouds”.

CLOUDS é um documentário interativo e um retrato dessa comunidade de pioneiros digitais, explorada pelas lentes do código. O projeto faz perguntas sobre o futuro da criatividade em um momento em que os algoritmos desempenham um papel importante na formação da cultura.

O filme apresenta 40 artistas, designers e hackers que participam da co-criação de ferramentas gratuitas para expressão criativa. Refletindo a história dessas comunidades online, o software por trás do CLOUDS foi construído em C ++ ,usando OpenFrameworks e inclui visualizações interativas em tempo real pelos artistas apresentados no documentário.

Verdadeiro ou Falso ?

Homepage

No mundo das Fake News como está sendo tratada esta questão pelo documentário e seus autores ? Não somente o fato em si mas o formato de apresentar esta questão.

Num filme linear estamos sujeitos à voz do autor com muito pouco poder de intervenção. Na experiência do espectador realizada por computadores as coisas mudam. Como o filme documentário aborda os fatos ? Serão verdade ou falsos ? Quais os limites entre o real e a ficção ? Muitas são as questões, não há dúvida.

Dito isto minha dica hoje aqui é o I-doc:

http://therapeuticbiographies.com/korsakow-film2/

Realizado pela inglesa radicada no Canadá Jamie Griffiths, artista digital, diretora de cinema e artista performática, que no projeto utiliza com grande criatividade e inovação literária o software Korsakow.

Numa provocativa tensão narrativa questiona continuamente o espectador, verdadeiro ou falso ? Em suas palavras , ” foi apenas um experimento, mas fiz uma descoberta muito interessante. Não houve julgamento real, porque eles nunca poderiam realmente saber quais histórias eram verdadeiras e quais eram falsas. Alguns disseram que é verdade e outros que são falsos, e no final não importava. Assim me senti seguro, mas para minha surpresa e o mais importante, me curei de certa forma terapeuticamente no processo de fazê-lo. “

Boa dúvida !!

Aqui o site do artista – http://www.jamiegriffiths.com

Pesquisa qualificada !!!

Muito feliz com o resultado da banca de pesquisa que foi qualificada no Mestrado em Indústrias Criativas na Unicap – Universidade Católica de Pernambuco, realizada nesta terça-feira, dia 30/06.

Agradeço meus orientadores, Prof. Doutor João Guilherme Peixoto @joaogmpeixoto, Prof.Doutor Anthony Lins @thonylins, Prof.Doutor Dario Brito @dario_brito e Profa. Doutora Kátia Augusta Maciel @kaaug , cabeças pensantes da academia brasileira !!

Nosso projeto têm com problema entender melhor as relações entre as unidades narrativas (databases) editadas nas interfaces do programa Korsakow e como elas podem ser utilizadas. O produto desta investigação será um e-book que vai ser disponibilizado aqui.

Em breve teremos novidades !

#korsakowsystem #kfilms #interactivedocs #interactivedocumentary #idocs #interactivedoc #newmediapoetics . #newmedia #newmedia #unicap #unirio #mestradoindustriascriativas #korsakow6 #unicapmestrado #cyberspace #levmanovich #documentaryfilm #software #mediastudies #docsfilm #databasefilm #algorithms

Mapeando novos terrenos, né McLuham ?

Quero trazer aqui hoje duas ilustrações propostas pelo pesquisador australiano Adrian Miles, em artigo de 2017, sobre o que ele imagina onde possa estar se situando o campo de estudo dos documentários computacionais, termo que ele também propõe.

Ele explica, “a figura 3 é mais apropriada, proposicional e didática. Aqui, os estudos documentais ainda se encontram dentro dos estudos de cinema, com a introdução do campo mais recente de novos estudos de mídia, sobrepondo estudos de cinema. Isso reflete a influência agora óbvia da digitalização na gravação, edição e distribuição do cinema, e o exame teórico do que essas mudanças provocaram na produção, no estilo, na economia e na agência de mudanças do público. Também reflete a extensão em que os estudiosos do cinema e dos estudos documentais confiam nas teorias de Lev Manovich, em The Language of New Media, para criação de novas mídias”. (MILES, 2017, pg. 9, tradução nossa).

Já nesta figura ele sugere ” a figura 4 é uma maneira mais interessante de se questionar sobre o documentário interativo como um emaranhado confuso de pessoas, mídia, tempo, tecnologias, interatividade, materialidade e produção, do que os estudos de cinema e documentário alcançam por si mesmos. Isso está mais próximo do que algo chamado não-ficção computacional poderia fazer. (MILES, 2017, pg. 10, tradução nossa).

A proposta de estudos proposta por Miles situa-se na confluência entre as Teorias de Ator Rede e Novo Materialismo para o campo no que esclarece ainda: ” neste desenho, os estudos de cinema não fornecem mais as lentes principais para a exibição e a realização de documentários interativos, sugerindo que os estudos interativos são uma bricolagem de estudos de cinema e documentários, além de estudos de software, novas mídias e códigos, com o novo materialismo incentivando um determinado teor ou carimbo para tudo. ” (MILES, 2017, pg. 10, tradução nossa).

As referências deste post são do artigo: “Matters of concern and interactive documentary: notes for a computational nonfiction“. de Adrian Miles (2017) School of Media and Communication, RMIT University, Melbourne, Australia.

Espero que possa ter sido um norte para minha pesquisa, até breve !

Este post teve como trilha sonora o Álbum Supertramp Live 1997.