Bug 404 – o Livro !

Em Junho de 2019 foi lançado no Brasil o primeiro livro em português sobre o campo interativo audiovisual. É o livro, “BUG: Narrativas Interativas e Imersivas”, organizado por André Paz (UNIRIO/PPGMC UFRJ) e Sandra Gaudenzi (University of Westminster).

A obra pode ser definida na visão dos autores como: ” uma visão panorâmica dos cenários internacional e nacional. Um amplo diálogo entre pesquisadores, produtores e artistas ” O livro é bilíngue e seu conteúdo é resultado de um projeto de pesquisa internacional dos organizadores, financiado pela British Academy.

Esta à venda na livraria Blooks, na Praia de Botafogo, Rio de Janeiro, ou diretamente em contato com a equipe do Bug404, e para consulta no site do Bug404.

O primeiro ano do Mestrado.

Final de 2019 chegando e nosso último encontro do ano foi nesta segunda 23/12, com os Prof. Anthony Lins e Prof. João Guilherme. Na pauta, discutir o encaminhamento final da proposta do projeto do Mestrado !

Agora é sentar, ter calma e escrever o primeiro tratamento, com os diretores e roteiristas gostam de chamar seus escritos. Vamos nessa !

Para inspiração coletiva vimos o primeiro episódio de “Do not Track”, dirigido por Brett Gaylor e que faz uma análise interessante dos encontros entre as problemáticas da privacidade ( ainda tem quem acredite que se está a salvo) e a economia de dados ( não para economizar mas para monetizar).

Segue o link da obra para diversão. https://donottrack-doc.com/en/intro/

A origem desta pesquisa.

Em janeiro de 2018, durante o curso de Especialização em Narrativas Contemporâneas da Fotografia e do Audiovisual, da UNICAP- Universidade Católica de Pernambuco, durante a disciplina de Produção Audiovisual, orientada pelo cineasta e professor Marcelo Pedroso, tivemos como tarefa prática, a formatação de um projeto de documentário audiovisual. Nossa proposta foi realizar um filme sobre o centro urbano da cidade do Recife, Pernambuco, que contemplasse tanto a perspectiva histórica quanto a contemporânea.

Para definir e delimitar este escopo num roteiro, escolhemos contar um pouco da história da cidade a partir do circuito de estátuas chamado de “Circuito da Poesia”, que é composta por poetas, escritores e personalidades que viveram no Recife e que estão dispostas pelo centro da cidade. Durante a elaboração do seu roteiro imaginamos construir uma narrativa onde o espectador pudesse “assistir ao filme enquanto caminhasse pela cidade ” realizando os percursos que conectam uma estátua a outra, podendo escolher que caminho seguir.

Ficou claro neste momento que uma edição linear tradicional não traria o efeito de imersão no ambiente urbano desejado. Embora Documentários Interativos seja um gênero emergente e com relevante número de produções criar do zero um programa de computação que permitisse interagir com o filme estava fora do nosso alcance como estudantes para um filme universitário. Iniciamos então uma pesquisa pela internet na qual descobrimos que já existem opções de softwares com custo acessível e que não exigem que o diretor seja um programador avançado. A escolha pelo software Korsakow em seu modo para estudantes foi feita por estas razões.

O mundo digital em rede e seus labirintos narrativos possíveis no hipertexto abrem caminho com sua profusão de processos, agenciamentos, co-criação, para descobertas das pesquisas acadêmicas como as do Open Doc Lab do MIT/Massachusetts Institute of Technoligy , do National Film Board of Canada, do IDFA Doc Lab entre outras, e que servem de inspiração e guias nos caminhos do Mestrado.

Meu Filme

Este site faz parte da minha pesquisa para o  Mestrado em Indústrias Criativas da UNICAP – Universidade Católica de Pernambuco e que em seu início pretendia construir um protótipo de programa de edição interativa, o meufilme.com, que dá título aqui ao site. 

Nosso objetivo é reunir e trocar informações sobre temas relativos ao campo de estudo dos documentários audiovisuais interativos.  Entender melhor como nós documentaristas audiovisuais acompanhamos os avanços tecnológicos proporcionados pelas mídias digitais, principalmente nas questões do uso de  programas de edição de narrativas não-lineares.

Seu autor é o mestrando Gil Vicente de Brito Maia e sob orientação dos professores  Anthony Lins e João Guilherme Peixoto.

A idéia do  protótipo inicial se mostrou aquém das nossa possibilidades humanas e tecnológicas para o momento, pois o  projeto demandaria financiamento para  execução. No final do ano de 2019 tentamos o edital público de start-ups, do Centelha PE / FINEP, onde chegamos até a fase semifinal.

 A proposta da pesquisa parte agora para um novo desenho, estando fase de conclusão para a banca de qualificação.