Chegou o dia de defender o Mestrado !

Na última sexta-feira, dia 10, apresentei minha pesquisa no Mestrado Profissional em Indústrias Criativas da UNICAP -Universidade Católica de Pernambuco, intitulada “O Documentário Interativo com o software Korsakow”, uma análise do programa computacional com propostas de modelos narrativos para desenvolvimento de projetos neste campo do audiovisual. Este blog aqui acompanhou o todo o processo desde o início.

O caminho começou em 2019 e tive a honra de ter como orientadores, os Profs. Doutores João Guilherme Peixoto e Anthony Lins, e que também contou com toda atenção desde a qualificação da Profa. Doutora Kátia Augusta Maciel (UFRJ) e do Prof. Doutor Dario Brito (UNICAP). Muito mais que professores, verdadeiros cientistas !!!

Este post é para agradecer e comemorar a aprovação e pra dizer que o texto será lançado em breve, no formato de e-book.

O futuro está começando a ser escrito, ou melhor, segue seu fluxo nas redes.

Em breve teremos novidades !

Axé !!

Lista atualizada de K-filmes no Showcase.

Publico aqui, a quem interessar possa, uma lista atualizada dos K-filmes com os links ativos e em Adobe Flash ( Descontinuados/EOL), no Showcase do site do KORSAKOW, em Março de 2021.

Esta lista é parte integrante de Apêndice da minha dissertação de Mestrado em Indústrias Criativas, na Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP, sobre o uso do software de edição Korsakow na produção de narrativas não-lineares e interativas em documentários audiovisuais.

Finalmente a lista atualizada de K-filmes do Showcase!

Após o EOL (End of Line) do Adobe FLASH Player no início de janeiro, o site do Korsakow atualizou o Showcase na lista atualizada que têm 56 K-filmes e apontando os que usam o aplicativo e que estão desabilitados.

Demorou um pouco pra colocar aqui pois estávamos atualizando um artigo que já vislumbrava justamente dos impactos deste fato para o programa, e que agora têm dados mais robustos.

Como já havia sido anunciado pela Adobe o fim do Flash, nos últimos meses de 2020, fizemos uma arqueologia digital catalogando todos os K-filmes que ‘tocavam’ no finado Flash, salvando provisoriamente, alguns dados sobre os mesmos e preservando sua memória digital.

Caminhando na pandemia – 2020.

E esperando que caminhos nos levem logo a vacina e principalmente para anos melhores em 2021, 2022, 2023 … não custa sonhar.

Um caminho possível se seguirmos os passos da ciência, do cuidado com o meio ambiente, da busca de melhores e mais justas condições de vida para nós habitantes deste pedaço de pedra voadora na imensidão do universo !!

Nossa despedida deste ano será relaxar com o K-filme de Andrew Martyn Sugar chamado de “Walking Through the pandemic”, realizado colaborativamente na Inglaterra durante os primeiros meses da pandemia e que teve apoio do Arts Council England.

Método para Documentários ET’s.

Nesta busca pelo conhecimento que é a nossa pesquisa de Mestrado um dos pontos centrais, e o qual me debruço nestes dias é a fase metodológica de propor estratégias para esmiuçar o objeto de estudo, mapear, relacionar, comparar e anotar, em busca sobretudo de conhecimento que possa ser analisado e replicado.

Um dos conceitos que guiam meu método é o presente no livro Alien Phenomenology or What It’s Like to Be a thing, do designer de jogos e filosófo de mídia Ian Bougost, ” Knowledge may intersect or surround ideas and objects, but it never permeates them, just as mechanical device used to train canaries doesn’t really turn them into sopranos”.(BOUGOST, 2012, pg. 123) em português, “O conhecimento pode cruzar ou circundar ideias e objetos, mas nunca os permeia, assim como o dispositivo mecânico usado para treinar canários não os transforma realmente em sopranos”.

Tal pensamento está presente na filosofia da ontologia orientada dos objetos – OOO – uma proposta do realismo especulativo que desloca a tradicional visão humanista da realidade em direção a interconexão entre os objetos e nós, que possui entre seus pensadores Bougost, Harman, Latour, entre outros. Meu objetivo é assim desenhar os mapas dos estilos das narrativas na hipermídia documental. Espero não ser muito pretensioso …

Filming Revolution – A primavera árabe em sua versão Big Data.

A indicação de documentário hoje é “Filming Revolution”, que você pode começar a ver aqui: https://filmingrevolution.org/

Os tempos de revolução sempre foram um terreno fértil para novas idéias e abordagens para o cinema. Com isso em mente, a estudiosa e praticante de cinema Alisa Lebow professora de Screen Media na University of Sussex, foi ao Egito após a revolução de 2011 para conversar com os cineastas sobre a maneira como suas práticas podem ter mudado como resultado de sua participação nesses eventos. Entrevistando mais de trinta cineastas, artistas, ativistas e historiadores, este projeto cria uma plataforma para pensar junto com as pessoas que fazem filmes no meio da agitação e depois.

As entrevistas são organizadas em grupos de conversas detalhadas, agrupadas em torno de temas, pessoas e projetos. Os leitores acompanham essas trocas multi-vocais para ouvir uma variedade de pontos de vista sobre tudo, desde filmar nas linhas de frente até organizar um sindicato de cineastas independentes ou contar uma história pessoal em meio a um momento histórico. O projeto aborda questões de forma, a relação entre documentário, jornalismo, arte e ativismo, bem como questões de historiografia, propaganda e muito mais. Cada cineasta e todos os temas associados são apresentados com uma nota para facilitar o envolvimento com essa investigação rica e exclusiva da mídia.

O projeto está no ar em uma publicação da Stanford University Press, © 2018 Stanford University | ISBN 9781503605220 | DOI 10.21627/2018fr | OCLC 1057701579 | Published by Stanford University Press